Voltar Educação Pública

Escola é alimento

10/08/2022
.

Em recente pesquisa, publicada pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN) mais de 33,1 milhões de pessoas passam fome no Brasil. A insegurança alimentar coloca em risco desde adultos e idosos, até crianças e jovens. Dados do UNICEF mostram que 47,1% das famílias brasileiras com crianças menores de 5 anos de idade vivem com algum grau de insegurança alimentar. Por isso é preciso olhar com atenção em como esse contexto impacta a educação, principalmente nas regiões mais afetadas.

A desigualdade social sempre foi um fantasma que pairou sobre a sociedade brasileira, em especial na região Nordeste. No sertão, atrelada a essa desigualdade, sempre observamos a presença da fome entre as famílias que fazem parte da comunidade escolar, em especial, quando as escolas se localizam nas periferias da cidade. Essa situação foi maximizada nos últimos tempos, devido a crise da pandemia e principalmente com a redução de políticas públicas voltadas para a diminuição desse problema. 

Para muitas famílias em situação de risco, a escola sempre foi considerada um meio para que os alunos se sintam parte de uma sociedade justa e igualitária, e pensando a longo prazo, que esses mesmos alunos consigam mudar a realidade em que vivem para melhor. No sertão, árido e muitas vezes desolador, a escola é vista como o único caminho, inclusive para mudança social e sobrevivência da comunidade local. Não é por acaso que várias campanhas das esferas governamentais, sejam elas sobre saúde, meio ambiente ou assistência social, por exemplo, são iniciadas na escola e o apoio dos professores é tido como primordial para que elas aconteçam e tenham resultados positivos. 

A escola sempre foi lugar de acalanto, segurança e referência, para inúmeras famílias sertanejas que vivem em situação de risco e insegurança alimentar. E isso não foi diferente durante o período de pandemia, seguido de problemas econômicos sentidos principalmente pelos mais pobres. A merenda escolar muitas vezes é a única refeição completa de vários alunos, cujos pais ou responsáveis não possuem uma renda fixa, ou sequer algum ganho capaz de suprir essa necessidade em seu lar. Durante os períodos de estiagem ou de poucas chuvas, a presença do aluno na escola também minimiza os gastos com alimentação em sua casa. E dessa forma, muitos pais buscam escolas integrais para seus filhos pensando justamente nas refeições garantidas e de qualidade que eles terão. Na obrigatoriedade do “fique em casa” em busca de não sofrer com a doença e mortes em decorrência dela, foi evidenciada ainda mais a insegurança alimentar pela qual nossos alunos e suas famílias passam. Com as aulas remotas, fomos obrigados a mostrar nosso lar aos nossos alunos, mas também conhecer a dura realidade deles, onde não só a falta de comida era colocada como problema, mas também a falta de estrutura familiar, de acesso às tecnologias para acompanhamento das aulas e de violência doméstica.

Muitas vezes o término das aulas por videoconferência não era finalizado pelo horário estipulado pela escola, mas sim pelo horário em que a comunidade receberia as doações de marmitas e cestas básicas por grupos de voluntários. Naquele momento, a única refeição completa do dia seria servida e a obrigatoriedade da continuidade da aula soaria até como falta de bom senso e empatia. “Por algumas vezes recebi mensagens e ligações pedindo ajuda em alimentos ou dinheiro para comprar remédio, gás ou o próprio alimento”, relata Sandra Freitas, Gestora da Escola Adeildo Santana Fernandes, situada em Tabira (PE).

Essa escola é um dos exemplos comuns nesses casos. Por ficar localizada em uma região periférica da cidade, a busca por auxílio nesse âmbito é muito comum. A própria gestora ainda confirma que algumas ações são realizadas pelos próprios funcionários, como arrecadação de roupas e alimentos para doação, buscando diminuir esse tipo de problema em algumas famílias da comunidade escolar. E que ao final do ano letivo de 2021, com o saldo de alimentos da merenda escolar no positivo, puderam realizar a distribuição de itens aos mais carentes da escola, beneficiando famílias de alunos de todos os segmentos, inclusive de educação especial, sendo muitos desses com uma necessidade alimentar ainda maior.

A insegurança alimentar vivenciada pelo aluno sertanejo, não o afeta apenas biologicamente. Observa-se o aumento de casos de crimes considerados simples, como pequenos furtos de celulares, por exemplo, buscando-se depois a venda do mesmo a aquisição de produtos de cesta básica. A fome faz com que aconteça uma reação em cadeia também social e emocional. O aluno que sofre com a insegurança alimentar sente-se envergonhado pela situação, muitas vezes nega receber o auxílio na frente dos colegas e os professores conseguem enxergar esses pontos que tantas vezes não são considerados nas discussões escolares acerca da situação social. Com os alunos menores isso fica ainda mais aparente. Crianças tímidas, caladas, amedrontadas e com as tarefas sempre por fazer, viram rotina em nossas salas de aula, dificultando ainda mais o avanço na aprendizagem, aumentando progressivamente o abismo entre o nível de escolaridade desejado, esperado e o real.

A maioria das cidades sertanejas são relativamente muito pequenas, onde os problemas econômicos são vistos primeiro e muitas vezes solucionados por último, com políticas públicas que demoram para acontecer e ações paliativas como doações de alimentos que não conseguem durar tanto tempo e nem atingir todas as pessoas que necessitam dela. 

Essa pandemia deixou ainda mais evidente que a escola já não é mais uma instituição apenas para “dar aulas”, tornou-se algo ainda maior para esses alunos que convivem diariamente com a certeza de que não sabem quando e nem como será a próxima refeição. Virou “braço” da assistência social, incluindo a psicológica, e os professores abarcam ainda mais responsabilidades quando precisam observar, diagnosticar e muitas vezes contribuir, do próprio bolso, e abdicar do tempo de descanso para ajudar o seu próprio aluno a ter uma refeição tão digna quanto o orgulho que possuem pela região em que vivem.

Categoria
Educação Pública

Achou esse conteúdo útil?

Daniele Melo Professora

Confira outras materiais e publicações

09/06/2022

Razões para Ficar

Parcerias

.

Saiba mais
29/07/2022

DO BRASIL PARA O MUNDO: CONHEÇA AS PROFESSORAS DA REDE QUE REPRESENTAM AS ESCOLAS FINALISTAS DO PRÊMIO “MELHORES ESCOLAS

Premiações

.

Saiba mais
21/09/2022

A INSTABILIDADE EMOCIONAL NO PÓS-PANDEMIA

Educação Pública

.

Saiba mais
07/02/2022

MEC e CAEd monitoram a implementação da BNCC

Educação Pública

Informe-se e compartilhe dúvidas e opiniões sobre o Novo Ensino Médio.

Saiba mais
10/03/2022

Depois de 14 anos, Governo Federal assina aumento do piso salarial para professores

Educação Pública

PROFESSORA JULIANA REIS (MG) COMENTA A PORTARIA E SEUS IMPACTOS

Saiba mais
07/02/2022

Novo Ensino Médio: quais são os seus desafios?

Educação Pública

Informe-se e compartilhe dúvidas e opiniões sobre o Novo Ensino Médio

Saiba mais
10/03/2022

O Retorno da Alfabetização necessita de acolhimento

Educação Pública

Cerca de 76% dos alunos precisam de reforço em alfabetização, segundo o DataFolha. Mas o que realmente os estudantes precisam com o retorno às aulas presenciais é o acolhimento e a Professora Joice conta mais sobre isso.

Saiba mais
10/03/2022

Conectando Saberes e Todos pela Educação promovem debates com professores no centro

Educação Pública

Desde dezembro de 2021, a Conectando Saberes apoia a Todos pela Educação na realização do Educação Já, uma série de encontros que debatem políticas públicas educacionais com professores, gestores e secretários.

Saiba mais
10/08/2022

Ensino Domiciliar em pauta

Educação Pública

A Educação domiciliar entrou em debate para ser implementada no Brasil, mas será que é uma boa ideia?

Saiba mais
07/02/2022

Espaço Rede Autoral Conectando Saberes

Espaço Rede Autoral

Leia a crônica escrita pela professora Cristiane Dias, membro da Conectando Saberes no núcleo de Criciúma, em Santa Catarina.

Saiba mais
17/05/2022

A história de uma professora escrita por ela mesma

Espaço Rede Autoral

Joice Lamb, membra da Rede Conectando, lança livro sobre memórias da sua carreira como educadora

Saiba mais
07/02/2022

Saúde Vocal: 5 técnicas para cuidar da sua voz

Saúde e Autocuidado

Conheça 5 técnicas para cuidar da sua voz

Saiba mais
07/04/2022

Precisamos falar sobre saúde mental na escola

Saúde e Autocuidado

Após a pandemia e o isolamento social assunto deve receber mais atenção das escolas

Saiba mais
07/04/2022

Conectando Boas Práticas premia projetos na temática de Participação Familiar

CBP

Conheça o projeto do professor e diretor Felipe, de Marilândia (ES), um dos vencedores da premiação

Saiba mais
07/02/2022

Conectando Boas Práticas 2021: Fique por dentro dos resultados.

CBP

Os resultados serão divulgados a partir do dia 01/03, então fiquem ligados nas redes sociais da Conectando Saberes e no boletim mensal para não perder nada!

Saiba mais
10/08/2022

Núcleos se mobilizam para realizar Prêmio Conectando Boas Práticas localmente

CBP

Magé (RJ) e Castro (PR) foram algumas da cidades que realizaram o evento

Saiba mais
31/03/2022

Conheça os vencedores do Conectando Boas Práticas

CBP

Saiba mais sobre os projetos que foram premiados

Saiba mais
10/03/2022

Projetos de Professoras da Rede CS buscam a valorização da mulher na sociedade

Diversidade

Conheça o projeto de duas professoras da rede CS que colocam as mulheres como protagonistas de grandes histórias.

Saiba mais
10/03/2022

(Não) Valorização do Profissional Docente

Valorização Docente

CONECTANDO SABERES BUSCA A VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO POR MEIO DE PROJETOS E PESQUISAS

Saiba mais
17/05/2022

PROFESSORA CLECIANE SANTOS DISCURSA NO EVENTO “EDUCAÇÃO JÁ”

Valorização Docente

Cleciane Santos Alves, de Sergipe, usou o espaço para falar sobre a importância do coletivo quando pensamos em educação

Saiba mais
07/04/2022

A importância da união da família e da escola

Participação Familiar

Saiba mais sobre a formação que os membros da CS tiveram em março sobre o tema

Saiba mais
07/04/2022

No Brasil, quase 10 mil de escolas não têm acesso à água potável, segundo o MEC

Condições de Trabalho

Entenda como isso afeta a rotina de alunos, professores e gestores escolares.

Saiba mais
09/06/2022

Criando ambientes acolhedores

Cidadania e Educação

Confira com promover criatividade e segurança dentro do ambiente escolar

Saiba mais
07/04/2022

Já pensou em falar de educação política em sala de aula?

Cidadania e Educação

Prazo máximo para tirar o primeiro título de eleitor é até 4/05

Saiba mais
02/06/2022

A democracia no papel e o papel da democracia na escola

Gestão Democrática no Ambiente Escolar

Joice Lamb, membra da Rede Conectando Saberes explora o tema na prática e conta mais aqui:

Saiba mais
13/06/2022

ESCOLAS REPRESENTADAS POR PROFESSORAS DA REDE CONECTANDO SÃO FINALISTAS DO PRÊMIO "MELHORES ESCOLAS DO MUNDO"

Premiações

.

Saiba mais